Polícia Civil prende ‘mentor’ de assalto a um frigorífico de Pirapozinho
Polícia Civil prende ‘mentor’ de assalto a um frigorífico de Pirapozinho

A Polícia Civil prendeu na tarde desta sexta-feira (17), em uma residência, em Tarabai, um homem de 42 anos, considerado o “mentor” de um assalto a funcionário de um frigorífico em Pirapozinho. Na ocasião do crime, no mês passado, o trabalhador foi atingido com um tiro e os ladrões fugiram com mais de R$ 100 mil em dinheiro da empresa.
Na segunda fase da Operação Pecus (do latim, gado), os policiais deram cumprimento ao mandado judicial de prisão temporária por 30 dias do suspeito, prazo que pode ser prorrogado por igual período.
Segundo a Polícia Civil, o homem era funcionário do frigorífico, onde trabalhava no setor de vendas, e foi o responsável por arquitetar o crime.
Como funcionário da empresa, ele repassou aos demais integrantes do grupo criminoso todas as informações necessárias para a execução do crime, como o momento da realização do saque do dinheiro do frigorífico e a pessoa incumbida de fazer a operação bancária.
Ainda de acordo com as informações repassadas pela polícia, o “mentor” do assalto pediu demissão do frigorífico oito dias após o crime com a alegação de que havia passado em um concurso público.
No entanto, segundo a polícia, a informação da aprovação no concurso público não era verdadeira.
O homem, que era morador de Pirapozinho, mudou-se para Tarabai, onde estava montando um negócio particular.
O dinheiro obtido no assalto foi dividido entre os integrantes do grupo criminoso. 
O preso foi levado à Delegacia da Polícia Civil, em Pirapozinho, para prestar esclarecimentos sobre o caso e posterior encaminhado à Cadeia de Presidente Venceslau.
Ainda conforme a polícia, já foram presos dois adultos e apreendido um adolescente por envolvimento no crime. Outros três adultos são considerados foragidos da Justiça.
O delegado Rafael Galvão, responsável pelas investigações sobre o caso, contou que o homem preso nesta sexta-feira (17), enquanto trabalhava como funcionário do frigorífico, tinha acesso a toda movimentação financeira de entrada e saída da empresa.
“Ele [preso] era colega e sentava ao lado, a dois metros de distância, da vítima que levou o tiro”, salientou Galvão.
O delegado detalhou que as ligações telefônicas dos envolvidos no crime levaram à identificação do “mentor” do assalto, já que ele manteve contatos com outros integrantes da quadrilha tanto em dias anteriores como na própria data do roubo. (Com G1)

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade










 

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes






1