Assentamentos do Pontal chegam na 2ª fase em biotecnologia de reprodução animal
Assentamentos do Pontal chegam na 2ª fase em biotecnologia de reprodução animal

 

Dentro das atividades do Programa Cultivando Negócios, foi concluída a segunda fase do trabalho de biotecnologias de reprodução com transferência de embriões com produtores de leite dos assentamentos rurais do Pontal do Paranapanema. 
A ação é uma parceria entre o Governo de SP, por meio da Secretaria da Justiça e Cidadania e Fundação Itesp, e o Condomínio Rural Canto Porto,  para melhoramento genético dos animais e alavancar a produção leiteira nos assentamentos estaduais.
Nesta segunda fase, os veterinários fizeram, nos dias 24 e 25 de junho, a transferência dos embriões fertilizados em laboratório, em 86 receptoras, em propriedades rurais de 13 produtores de leite, dos municípios de Marabá Paulista, Presidente Bernardes, Caiuá, Mirante do Paranapanema, Rosana, Euclides da Cunha e Presidente Epitácio. 
O Itesp apoia essa integração para levar tecnologia até o pequeno produtor, no sentido de melhorar a genética e a produção leiteira, garantindo um animal de procedência, com alta produtividade e sanidade adequada. Proporciona ainda desenvolvimento e geração de renda.
Segundo o veterinário do Itesp, Alfredo de Melo, o trabalho é realizado em três fases:  seleção e sincronização das receptoras, transferência dos embriões e, por último, o diagnóstico de gestação e sexagem da prenhez. “Essa segunda etapa começou no dia 08 de junho e dura aproximadamente 2 meses e meio, com previsão de término 60 dias após a transferência dos embriões, sendo assim, deve ser concluída no final de agosto”, disse.
Na primeira etapa do trabalho, iniciada em março e concluída no final de maio, foi realizada a transferência de embriões em 75 receptoras, sendo que 32 tiveram prenhezes confirmadas. O índice foi de 43%, considerado excelente pelos técnicos. O número é superior à média mundial, que é de 35%, o que demonstra o comprometimento dos produtores e o bom trabalho realizado por todos envolvidos nessa parceria.
O trabalho de transferência é realizado com embriões de doadoras da raça Gir e Girolando, fruto de uma seleção cuidadosa que gerou um exclusivo grupo de doadoras, com sêmen sexado dos melhores touros Holandeses.
 (Com Assessoria)



Comentário(s)

1