QUE HISTÓRIA É ESSA? - As coisas que não esperamos
QUE HISTÓRIA É ESSA? -  As coisas que  não esperamos

Era de manhã quando ele se despediu da família e saiu para comprar pão. Ao entrar na garagem, ouviu um rugido vindo de baixo do carro.  E pra nunca mais dizer que segundas-feiras são tediosas, deu de cara com uma onça.
Nunca suportou água fria, mas naquele dia decidiu arriscar. Colocou a ponta do pé na piscina para ir se acostumando e congelou: havia um jacaré descansando lá no fundo.
O inesperado é criativo e gosta de aparecer. Muda animais selvagens de cenário, cancela viagens, aumenta as famílias e quase mata a gente de susto.
Nossa natureza é meio arredia a surpresas. Tudo que não programamos nos desestabiliza, nos faz perder o controle. O que você planejava para 2020? Com toda certeza, não passava nem perto de uma pandemia.
Os japoneses se prepararam por anos para as Olimpíadas que não aconteceram. A Escola de Samba emudeceu. O atleta que sonhava com a medalha de ouro saiu de forma.
Mas às vezes é nesses momentos em que a vida dá um duplo carpado e se esborracha no chão que encontramos o caminho para novas oportunidades.
Esta semana, conversei com uma amiga do tempo de escola. Ela tem uma filha de 13 anos e, no fim do ano passado, descobriu-se grávida. Quando eu disse ter adorado a novidade, ela me confessou que só após dois meses conseguiu se sentir plenamente feliz com a situação. Mas depois concluiu que talvez fosse desse movimento que a vida dela precisava. Como saber?
Há pouco mais de uma década, eu achava que muita coisa na minha vida já estava definida. Eu havia me casado, comprado uma casa, pensava em ter filhos e via minha carreira decolar. Estava tudo certo...ou não. O casamento acabou, o filho não veio, a casa foi vendida e a carreira mudou de rumo. Podia até parecer, a princípio, que o roteiro que eu havia desenhado era o melhor. Mas hoje, divorciada, morando sozinha e com menos expectativas de uma “vida de sucesso” posso afirmar com certeza de que estou mais tranquila e feliz. Coube ao destino me mostrar o que eu não conseguia enxergar naquela época.
É certo que a repetição é cômoda, mas não nos ajuda a crescer. E os momentos mais incríveis surgem do novo. Pode até ser um novo que não nos agrada de início, mas que rompe nossas certezas, amplia o nosso olhar e nos prepara para uma viagem cheia de paradas e caminhos desconhecidos.
 



Comentário(s)

1