Faive – desprendimento comunitário elogiável

E sempre temerário quando comentamos um tema que envolve toda comunidade.
Por alcançar um grande número de pessoas, é perigoso o esquecimento de alguém e ferir suscetibilidades, com os esquecidos tendo razão para reclamar.
Um evento de grande magnitude, que monopoliza a comunidade, é cercado de muitos interesses e comentários.
Todos os setores sociais são mobilizados e fica muito fácil a colisão de interesses desde a nomeação da diretoria do evento até convites para realizações no recinto.
Daí, a necessidade de muita cautela e prudência no tema de hoje...
Queremos lembrar que, durante 43 anos, homens dedicados à coletividade exerceram cargos de importância em cada ano para que a Faive pudesse ser realizada.
Durante estas quatro décadas, a Faive se transformou no maior acontecimento da vida venceslauense, ocupando mentes e espalhando trabalho e dedicação entre todos nós.
 A grande massa populacional que acorre ao recinto é a maior participante e responsável pelo êxito da promoção.
Louvo aqui os ex-presidentes, alguns já falecidos, mas que, com sua coragem e boa vontade, foram responsáveis por espetáculos exitosos em todos os setores da Faive.
Repito - não vou citar ninguém, apenas pedir que os que têm memória se lembrem dos que deram muito do seu tempo e trabalho para que o recinto se transformasse, de um cerrado em que habitavam formigas, para um parque de exposições maravilhoso.
Estes homens merecem o reconhecimento público de toda população venceslauense, sem recriminações ou criticas, eis que é preciso coragem, pertinácia, decisão e vontade para ser Presidente da Faive.
Devemos nos lembrar de cada um destes homens e os prefeitos que, com vontade politica, enfrentaram resistências e desafios para chegarmos a 43ª Faive e, se Deus quiser, a de número 50.
Sugiro, que cada um que ler estas palavras se lembre de rezar um Pai Nosso e uma Ave Maria, aos que se foram e também para os que permanecem entre nós, como forma mais simples, singela e correta de louvar e agradece-los pelo muito que legaram ao nosso povo.
Que a oração seja para todos, do mais simples operário ao Presidente e sua comissão de cada ano, como forma de agradecer aos momentos alegres que o recinto da Faive proporciona.
(*) O autor é jornalista, produtor rural e colaborador do Tribuna Livre


Publicidade










 

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes






1