Os brutos amam... demais

 

Comprovem se é verdadeiro o titulo deste artigo.
Os homens - sexo masculino - são os autores da maioria dos poemas, contos, poesias, músicas e obras literárias impregnadas de amor e paixão.
As mulheres também produzem grandes obras.
Na polarização sexual, são considerados, os insensíveis,  rudes, brutos, mal educados, desaforados e toda sorte do que pode ser anti-social.
O “homem” é o forte, o que não chora, o machão, o dono da verdade e das coisas, inclusive das mulheres e dos filhos. ...A última palavra e a cereja do bolo.
Será?  Analise quem está lendo.
Observem as manifestações literárias e culturais e verão que é o contrário.
Sobre esta dissertação a comprovação é tão antiga como o próprio homem.
Vale a pena lembrar, pelos exercícios da mente, que é abrangente e curiosa em constatar a realidade.
Serve para desmistificar o “pseudo-machismo”  atribuído ao chamado “sexo forte”, que na realidade é um romântico, sonhador e, sobretudo, amoroso.
Sofre com seus amores, suas frustrações e incompreensões.
Fica feliz com a vida quando tudo vai bem com a sociedade.
E o que faz?  Transforma este estado de espírito em compartilhamento social, junto aos que vivem os mesmos sentimentos e instantes.
A forma encontrada é a manifestação verbal, escrita, que enternece e comove, de acordo com o tema abordado.
É lindo saber que num olhar e postura severos, há muita ternura e amor.
Não é vergonha chorar.
O choro só brota em uma grande tristeza ou alegria.
É uma manifestação espiritual e física, nas lagrimas da água,  que tudo limpa e purifica.
Não faz mal...que, às vezes, nos chamam de forma desagradável, mas, amamos e demais...

(*) O autor é jornalista, produtor rural e colaborador do Tribuna Livre


Publicidade










 

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes






1