top of page
Buscar

Anônimo faz doação de R$ 5 mi para reduzir fila de espera em hospital

Com Só Notícia Boa

Foto: CBC.


Um anônimo faz uma doação surpreendente, deixando funcionários e toda uma cidade muito emocionados. A notícia da boa ação ganhou o mundo e ajudou a reduzir um problema na saúde pública do local.


Shannon Hunter, presidente e CEO da Saint John Regional Hospital Foundation, em Horizon, no Canadá, contou que recebeu um telefonema muito especial e que o deixou muto feliz. Do outro lado da linha, um homem que preferiu não ser identificado e queria ajudar os moradores locais.


O homem informou sobre a doação e disse que era Shannon deveria usar o dinheiro para reduzir o tempo de espera por ressonância magnética no hospital. Com o valor, a rede conseguirá abrir, por ano, mais 4.000 mil vagas de ressonância magnética!


Fila longa


Hoje, a rede de hospitais Horizon Health Network, tem uma fila considerável para realizar os exames. Em Miramichi, o tempo de espera é de 89 dias, enquanto no Upper River Valley, o prazo é de 480 dias.


Segundo Ania Kielar, presidente da Associação Canadense de Radiologistas, os tempos de espera em todo o país são superiores aos 60 dias recomendados.


Doação inesperada


E a doação veio em uma ótima hora. Quando Shannon recebeu o telefone, ela mal acreditou. O homem não especificou condições rígidas para que a fundação Saint John gastasse o valor.


“As condições eram realmente para melhorar o acesso. O doador confiava muito que usamos a doação de forma eficaz trabalhando com hospitais e lideranças locais de sáude”, disse a CEO.


E o valor de US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 5 milhões), vai ajudar bastante.


Aumento de procedimentos


Com o valor arrecadado, Zach Kilburn, vice-presidente de serviços profissionais da Horizon, disse que a rede vai contratar quatro tecnólogos em tempo integral.


Além disso, serão pagos treinamentos em ressonância magnética para outros funcionários.


A instituição também vai comprar software que ajuda a processar as solicitações de images médicas.


Com as mudanças, a rede prometeu um aumento de 26% nos procedimentos ao longo dos dois anos seguintes.


Cobrou do governo


Ania agradeceu a doação, mas também cobrou do governo canadense uma maior participação na saúde pública.


“Como canadense, agradeço a esse doador. Ao mesmo tempo, também precisamos encorajar o governo a assumir um papel de liderança”.


Para ela, doações por pessoas físicas podem aprofundar a desigualdade, uma vez que áreas com residentes mais ricos começariam a ter melhores serviços.


E no Brasil?


O Brasil, infelizmente, repete os dados do Canadá.


No país, a fila de espera para ressonância magnética varia de estado para estado.


Em Porto Alegre, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a espera pode chegar até 2.984 dias.


No início do mês, o Governo Federal lançou medidas para reduzir a espera no atendimento pelo SUS.


O programa Mais Acesso a Especialistas vai ampliar a oferta de consultas, exames e acompanhamento de saúde na rede pública do país.


Em 2024, a meta é realizar 1 milhão de cirurgias a mais do que foi realizado em 2023.

Comments


bottom of page