top of page
Buscar

Autor de ataque a creche em Saudades é condenado a 329 anos de prisão

Em 4 de maio de 2021, homem invadiu creche e matou 3 crianças e duas funcionárias. Julgamento ocorreu em dois dias. - Com G1

Keli Adriane, Sarah Luiza, Anna Bela, Murilo Massing e Mirla Renner são as vítimas do atentando a creche em Saudades (SC) — Foto: Reprodução/Redes Sociais; Reprodução/NSC TV


O acusado de matar três crianças e duas professoras de uma creche em Saudades, no Oeste de Santa Catarina, em 4 de maio de 2021, foi condenado a 329 anos e quatro meses de prisão em regime inicialmente fechado. Cabe recurso.

O júri popular durou dois dias, começando na quarta-feira (9). A sentença foi dada na noite desta quinta (10). O homem já estava preso preventivamente desde o dia do crime. O g1 não conseguiu contato com o advogado do réu.

Além das mortes, o acusado também feriu um menino, na época com 2 anos, que sobreviveu. Juiz lê sentença de homem condenado por ataque a creche em Saudades O juiz determinou que tudo o que foi apreendido durante a investigação, como o computador e instrumentos do réu, seja destruído. A condenação foi a soma das seguintes penas:

  • 40 anos de reclusão para cada uma das vítimas menores de idade: Murilo, Sara e Ana Bella

  • 30 anos de reclusão para as vítimas: Mirla e Keli

  • 26 anos e 8 meses para o menino de 2 anos que ficou ferido e sobreviveu

  • Oito anos de reclusão para cada tentativa de homicídio

Ele recebeu penas por cinco homicídios triplamente qualificados e 14 tentativas de homicídio qualificadas contra crianças e funcionários que estavam na unidade de ensino. As qualificadoras foram motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que dificultou a defesa das vítimas. Além dessas penas, o réu precisará indenizar as famílias da seguinte forma:

  • R$ 500 mil para a família de cada vítima que morreu

  • R$ 400 mil para a família da criança ferida que sobreviveu

  • R$ 40 mil para cada tentativa de homicídio

O julgamento ocorreu no fórum de Pinhalzinho, cidade vizinha de onde aconteceu o crime, com forte esquema de segurança. Familiares e o público puderam acompanhar.

Priscila Aniecevski, prima de Keli Aniecevski, uma das professoras que morreu no ataque, descreveu alívio pelo resultado do julgamento.

"O júri foi bem complicado. No começo, a gente ficou bem apreensivo, tanto com a acusação quanto com a defesa. Mas eu pelo menos achei um resultado justo ele pagar por todos esses crimes dele", disse. "Eu me sinto aliviada por saber que ele não vai estar na rua, não vai estar vivendo em comunidade. Nada vai trazer ela de volta, nada. Mas o sentimento de alívio é o que permanece", disse a prima da professora. Os jurados começaram a votação às 15h19 e terminaram às 18h55. O grupo é formado por seis mulheres e um homem. Eles foram escolhidos por sorteio antes do início do júri na quarta.

A sentença começou a ser lida às 19h57.

Quatro promotores de Justiça atuaram no júri. Eles conseguiram provar que o réu possuía plena capacidade mental quando cometeu o crime, conforme o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Após o julgamento, muitos moradores ficaram do lado de fora do fórum de Pinhalzinho. Às 21h50, o réu saiu do fórum escoltado por três viaturas da segurança pública.

Ele foi levado para o presídio de Chapecó, na mesma região. As ruas que circundam o fórum foram liberadas, após o esquema de segurança montado para o júri.

Quem são as vítimas

Três crianças e duas funcionárias morreram no ataque a creche:

  • Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora e dava aulas na unidade há cerca de 10 anos

  • Mirla Renner, de 20 anos, era agente educacional na escola

  • Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses

  • Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses

  • Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

Comments


bottom of page