top of page
Buscar

Carlos Alberto se preocupa com SBT sem Silvio Santos e critica Globo

Com Mais Goiás

(Foto: Reprodução)


Boa praça como parece, Carlos Alberto de Nóbrega garante que dá entrevistas com a mesma serenidade com que argumentou com os assaltantes que o fizeram de refém em sua chácara no interior de São Paulo há 13 anos. Minutos antes de sentar com este repórter, porém, sua expressão era dura.


Aos 88 anos, o criador e diretor do programa “A Praça é Nossa”, exibido no SBT desde 1987. À frente do humorístico mais longevo da televisão, Carlos Alberto virou sinônimo de comédia brasileira e figura essencial para a construção da emissora de Silvio Santos.


“É meio antipático o que vou falar, mas a entrevista de hoje pode ser a última que eu dê. Porque três gerações já me conhecem, então não tem mais o que perguntar para mim. Sou obrigado a ir em podcasts ou receber vocês em casa para falar de coisas que já estão cansados de saber.”


São opiniões que podem desagradar um mundo em alerta, no qual toda pessoa pública se esconde atrás de um assessor, com medo do cancelamento. Mas não Carlos Alberto. Ele diz, por exemplo, que levou uma bronca velada do SBT quando disse numa entrevista que Silvio Santos —ausente há dois anos— provavelmente não voltaria a aparecer em frente às câmeras.


“Ele ficou louco da vida. Teve um B.O. danado na empresa. Foi proibido qualquer pessoa falar sobre a vida dele. Aquilo foi para mim. Só que ele não podia falar direto a mim por questões óbvias, né? Temos 70 anos de amizade.”


Ainda sobre os bastidores do SBT, Carlos Alberto sugere que Eliana só vai sair do canal porque teria levado uma rasteira na empresa. O contrato de 15 anos da apresentadora acaba neste mês, e muito se especula sobre seu futuro.


“Eliana não vai para a Globo ainda, isso eu garanto. Somos amigos. Ela está estudando as possibilidades. Para a Record é que não vai. Nem para a Band”, diz ele. “Mas é uma pena. Ela saiu por motivos sobre os quais tinha razão. Eu faria a mesma coisa. Sempre falei para o Silvio que por dinheiro eu não sairia do SBT, mas se pisassem no meu pé, sim”, afirma, se recusando a explicar a suposta perfídia.


Sem Eliana, o SBT enfrentará uma nova etapa nas mudanças de sua programação, em busca de uma sobrevida sem Silvio Santos. O próprio Carlos Alberto não o vê há três anos. “Meu carro ficava ao lado do dele no SBT. Era o meu, o dele e o da Hebe, que nunca ia. Quando chego e vejo aquela vaga vazia, me bate uma saudade.”


Daniela Beyruti, terceira filha de Silvio, que assumiu a batuta da empresa no ano passado. Ela vem sendo criticada por insistir em novos programas que fizeram a audiência do canal cair, como o matinal Chega Mais. Um dos seus acertos, em termos de público, foi o Sabadou com Virginia, apresentado por Virginia Fonseca.


“Daniela quer a juventude, os influenciadores, e está pagando caro, porque a audiência cai”, diz Carlos Alberto. “Mas pelo menos há uma qualidade: ela está tentando. Seria péssimo se continuasse com a política do pai. A troca foi muito rápida, mas necessária. Tinha que dar uma sacudida. Daniela tem que pegar essa Virginia e botar a cara para bater. Se está dando três pontos de audiência, depois vai dar cinco ou seis.”


Apesar disso, Carlos Alberto desconfia dos cruzamentos entre TV e influenciadores digitais. “Cada macaco no seu lugar. A televisão está precisando de caras novas, mas uma coisa é você estar na sua casa, dançando, brincando, dizendo ‘eu uso esse produto’. Outra coisa é segurar duas horas de programa.”


Suas críticas se estendem à Globo, que está “indo para um caminho horrível”, ele afirma, ao dar fim à programação de humor do canal após a saída de Marcius Melhem, que era diretor do núcleo de humor. No ano passado, Carlos Alberto disse que Melhem seria uma boa adição ao quadro de funcionários do SBT, mas que não oficializou um convite. “Agora parece que é tudo mentira. Ele vai se livrar de todas essas acusações. Ele foi julgado e condenado por todo mundo, e isso é sacanagem”, diz.


Carlos Alberto não esconde seu desprezo pelo politicamente correto. Ele considera que quem faz humor sai perdendo pelo que chama de imposições exageradas de um grupo minoritário.


Por outro lado, abomina piadas de cunho ofensivo com gays e pessoas negras, o que outrora já fora a tônica de vários quadros de “A Praça é Nossa” —que até hoje vez ou outra brinca com estereótipos de gênero, sexualidade e com caricaturas regionais, mas já sem a frequência do passado, com tipos como a Vera Verão, de Jorge Lafond, ou a Velha Surda, de Roni Rios.


A saída do programa, nos últimos anos, de nomes como Maurício Manfrini, o Paulinho Gogó, Moacyr Franco e Matheus Ceará, também foram sinais de uma decaída. “Fazer uma pessoa rir é muito difícil. O humor da ‘Praça’ vai acabar. A Globo, com essa maldita mania de ser radical, está preocupada em mostrar um Brasil triste. Agora só fazem seriados violentos, com estupros. Chega o que a gente vê na rua”, ele diz, pouco antes de a Globo anunciar uma nova diretoria dedicada ao humor.


O humorista se mudou recentemente para um apartamento em Alphaville. Antes, morava numa casa. Fez isso para não ter que subir e descer escadas. Hoje é difícil ele ir a festas. Pensa bem antes de aceitar convites para programas de TV e evita viajar a trabalho. Gosta mesmo é de ficar em casa com a família. Sua praça é o único compromisso com o qual ele não falha —decora o texto às terças, grava às quartas e edita às quintas, religiosamente.


“Por pior que seja o problema que a gente tem, quando entramos naquele estúdio, baixa um santo e esquecemos. Eu não trabalho lembrando que minha mulher está doente, que meu filho teve um problema ou até que quebraram a minha cortina”, diz, com sua gargalhada inconfundível.

Comments


bottom of page