top of page
Buscar

Com acervo de 11 mil peças arqueológicas, novo museu de Epitácio será sustentável e interativo

Com O Imparcial

Segundo Prefeitura de Epitácio, obra já está em fase de licitação


Um museu sustentável, inovador, interativo, acessível e com um acervo de 11 mil peças arqueológicas. É o que chama a atenção no novo MAHOP (Museu Arqueológico e Histórico do Oeste Paulista), que será construído em Presidente Epitácio, com base em projeto desenvolvido por pesquisadores de dois campi da Unesp (Universidade Estadual Paulista): a FCT (Faculdade de Ciências e Tecnologia) de Prudente e a FEC (Faculdade de Engenharia e Ciências) de Rosana.


Segundo o professor e pós-doutorando da FCT, Jean Ítalo de Araújo Cabrera, um dos idealizadores do projeto, a construção de museus com práticas sustentáveis e inovadoras pode ter um impacto positivo no meio ambiente. “Isso não apenas demonstra responsabilidade ambiental, mas também inspira visitantes a considerarem questões relacionadas à sustentabilidade. Com esse conceito, podemos atrair investimentos e parcerias de empresas e organizações interessadas em apoiar projetos visionários”, expõe.


Além do pesquisador Jean, participam do projeto as professoras Ruth Künzli e Rosângela Cortez, da FEC de Rosana; Cássia Furlan (PSDB), prefeita da Estância Turística de Epitácio; Sérgio Antônio Maroto, secretário de Planejamento e Meio Ambiente; Luiz Raizaro, arquiteto da Prefeitura; e representantes da Caixa Econômica Federal e do Ministério Público Federal.


“O próximo passo do projeto é a fase de construção, pois a verba já foi liberada. Agora, cabe à Prefeitura licitar a obra, bem como contratar pessoal capacitado para acompanhar as etapas subsequentes até o final da construção e sua inauguração”, explica Jean. 


Como será

O acervo arqueológico do museu vai reunir materiais históricos revelados pelas escavações na região, como urnas funerárias, cerâmicas, material malacológico (relativo ao ramo da biologia que estuda os moluscos), pedras lascadas e polidas, ferramentas e vasilhas.


Contribuições sociais

O objetivo é oferecer aprendizado fora do ambiente escolar e transmitir conhecimentos sobre ciência, arte, história e outros temas.


O MAHOP também tem a finalidade de desempenhar um papel importante como centro de pesquisa, contribuindo para o avanço do conhecimento em diversas áreas, além de oferecer recursos e oportunidades para acadêmicos, pesquisadores e estudantes, fazendo com que possam ser abordadas questões sociais, culturais e históricas e estimulando o diálogo e a reflexão crítica. Além disso, há também o grande desenvolvimento econômico que irá impulsionar a indústria do turismo na região.


“Então, a construção de um museu com um conceito inovador não apenas enriquece a experiência dos visitantes, mas também contribui para o desenvolvimento cultural, educacional e econômico da comunidade. A inovação permite que os museus evoluam e se adaptem às mudanças na sociedade, mantendo-se relevantes e inspiradores”, complementa o professor. 


A FCT/Unesp já opera dois museus arqueológicos na região. São eles o MAR (Museu de Arqueologia Regional) e o CEMAARQ (Centro de Museologia, Antropologia e Arqueologia), em Prudente.

bottom of page