top of page
Buscar

Como evitar que a tecnologia roube seu tempo sem que você perceba

Com Terra

A tecnologia deveria tornar nossas vidas mais fáceis. Afinal, os smartphones oferecem uma janela para o mundo do tamanho da palma da mão, permitindo-nos fazer quase tudo com um toque na tela. As casas inteligentes cuidam delas mesmas, e as reuniões virtuais significam que, para muitos, o tempo gasto no deslocamento é coisa do passado.


Portanto, deveríamos ter mais tempo livre. Tempo que agora é gasto dormindo, relaxando ou simplesmente não fazendo nada - certo?


Se a ideia de que você tem mais tempo do que nunca te faz engasgar com o café, você não está sozinho ou sozinha. Há cada vez mais evidências de que, embora a tecnologia digital possa nos ajudar a economizar algum tempo, acabamos utilizando esse tempo para fazer cada vez mais coisas.


Recentemente entrevistamos 300 indivíduos na Europa para entender o uso que fazem dos dispositivos digitais no dia a dia. A pesquisa mostrou que as pessoas desejam evitar períodos vazios em suas vidas e, por isso, preenchem esses períodos realizando tarefas, algumas que não seriam possíveis sem a tecnologia.


O crescimento das tarefas digitais está acontecendo, em parte, porque a tecnologia parece estar mudando a nossa percepção sobre para que serve o tempo livre. Para muitas pessoas, já não basta simplesmente jantar, ver televisão ou talvez fazer uma aula de ginástica.


Em vez disso, numa tentativa de evitar perder tempo, essas atividades são realizadas enquanto navega-se na web em busca dos ingredientes para uma vida mais perfeita e tentando desenvolver um sentimento de realização.


As mídias sociais podem, às vezes, inspirar, motivar ou relaxar as pessoas. Mas a nossa pesquisa sugere que as pessoas muitas vezes sentem culpa, vergonha e arrependimento depois de preencherem o seu tempo livre com atividades online. Isso ocorre porque elas consideram as atividades online menos autênticas e valiosas do que as atividades do mundo real.


Por que a tecnologia está criando mais trabalho?

Embora a tecnologia possa ajudar a economizar tempo em tarefas, acabamos utilizando esse tempo para fazer cada vez mais coisas


O e-mail, por exemplo, cria um crescimento exponencial nas comunicações, o que significa mais trabalho para ler e responder a tudo. Tecnologia mal concebida também pode forçar-nos a trabalhar mais devido à ineficiência que gera. Todos nós já passamos por isso, inserindo informações no sistema A apenas para mais tarde saber que, como os sistemas A e B não se comunicam, teremos que inserir tudo duas vezes.


Ao fazer mais, podemos acabar conseguindo menos e nos sentindo pior. À medida que o tempo fica mais pressionado, o estresse, a exaustão e o esgotamento aumentam, resultando em mais ausências no trabalho.


Como desacelerar e recuperar nosso tempo?

Recuperar o tempo "economizado" pela tecnologia pode exigir uma mudança na forma como dividimos o tempo. Para nos libertarmos do hábito de preencher o tempo com cada vez mais tarefas, devemos primeiro aceitar que às vezes é ok fazer pouco ou nada.


No ambiente de trabalho, empregadores e empregados precisam criar ambientes em que a desconexão seja a norma e não a exceção. Isto significa ter expectativas realistas sobre o que pode e deve ser alcançado num dia normal de trabalho.


Mas pode ser que o desenvolvimento de legislação que estabeleça o direito de se desconectar seja a única forma de garantir que a tecnologia deixe de dominar o nosso tempo. Vários países europeus, como a França e a Itália, já têm legislação garantindo o direito à desconexão.


Também é possível que a própria tecnologia seja a chave para recuperar o nosso tempo. Imagine se, em vez de dizer para você se levantar e se movimentar (mais uma tarefa), seu relógio inteligente lhe dissesse para parar de trabalhar porque você já completou o horário contratado. Talvez quando a tecnologia começar a nos dizer para fazermos menos, finalmente recuperaremos o tempo.


*Ruth Ogden é professora de Psicologia do Tempo na Universidade de Liverpool John Moores (Reino Unido), Joanna Witowska é professora assistente de Psicologia na Universidade Maria Grzegorzewska (Polônia), e Vanda Černohorská é pesquisadora de pós-doutorado na Academia Tcheca de Ciências.

Comentários


bottom of page