top of page
Buscar

Em Pauta: Descriminalização das drogas: contra ou a favor?

Atualizado: 7 de ago. de 2023


Até o momento o Supremo Tribunal Federal tem 4 votos a 0 para que o porte da maconha para uso pessoal deixe de ser enquadrado como crime - ainda não há data para que a corte retome a pauta, cujo julgamento foi adiado mais uma vez.


Nesta quarta-feira (02), quando o assunto foi retomado, o ministro Alexandre de Moraes proferiu o seu voto, propondo que uma pessoa flagrada com até 60 gramas de maconha seja considerada usuária. Acima desse limite, ela poderia ser tratada como traficante.


O relator do caso, o ministro Gilmar Mendes, por outro lado, defendeu a descriminalização para qualquer substância, mas Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Moraes votaram para que a mudança se aplique apenas à maconha.

Moraes citou estudos que afirmam que a maconha provoca menos danos à saúde pública do que outras drogas. Segundo o ministro, é “cientificamente comprovado” que a substância é mais leve que outras ilícitas.


Para Moraes, porém, uma pessoa flagrada com maconha pode ser presa mesmo que carregue menos de 60 g de maconha. Para que isso ocorra, outros elementos no flagrante devem apontar que se trata de tráfico, não de consumo pessoal.


O julgamento, que estava parado desde 2015, não tem data para ser retomado. Ainda faltam os votos de sete ministros: André Mendonça, Nunes Marques, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Dias Toffoli, e da presidente da Corte, Rosa Weber, além do novo ministro Cristiano Zanin, que tomou posse nesta quinta-feira (03).


Na verdade, a descriminalização das drogas no Brasil é um tópico de discussão relevante. Atualmente, a posse de pequenas quantidades de drogas para uso pessoal não é considerada crime, mas é tratada como uma contravenção penal, sujeita a medidas administrativas e sanções não criminais.


Alguns argumentam que a descriminalização poderia reduzir a superlotação carcerária, desmarginalizar os usuários e permitir o redirecionamento de recursos para políticas de saúde e prevenção. No entanto, outros têm preocupações com o possível aumento do consumo e impactos na saúde pública.


Na Europa, países como Holanda e Portugal, por exemplo, descriminaram o porte da maconha para uso pessoal. Nos Estados Unidos, um total de 35 estados legalizou a maconha para uso recreativo. Na América do Sul, o Uruguai também descriminalizou a maconha para uso recreativo.


É importante ressaltar que a descriminalização é diferente da legalização, que ainda é um tema muito controverso no país. A legalização permitiria a regulamentação do mercado de drogas, enquanto a descriminalização foca na mudança do tratamento legal para os usuários.


Esse assunto é complexo e suscita diversas opiniões. A abordagem adequada requer uma análise aprofundada dos impactos sociais, econômicos e de saúde pública, além do diálogo entre diferentes partes interessadas.


De qualquer maneira, o assunto passa por questões de ordem cultural e econômica, suscitando muitas dúvidas.


Importante ressaltar também que, no Brasil, o aumento da criminalidade está relacionado ao tráfico, cuja repressão muitas vezes acaba em chacinas, como aconteceu dias atrás no Guarujá, com gente inocente sendo alvo das balas disparadas pela polícia.


Kommentarer


bottom of page