top of page
Buscar

Em Pauta: O caso Viny Júnior e o racismo estrutural


No jogo em que o Real Madrid enfrentou o Valencia, no último domingo (21), pela La Liga (Liga Espanhola), o jogador brasileiro Vinícius Júnior foi o personagem principal, não pelas suas jogadas geniais e gols, mas, sim, por ser salvo de racismo, vindo da torcida adversária.


Não é a primeira vez em que Viny Jr, que se tornou um dos principais jogadores do mundo, sofre agressão por sua origem de cor. Desde que chegou ao futebol espanhol é alvo contumaz de manifestações racistas.


No entanto, na partida contra o Valência, Viny não suportou e reagiu. O jogo foi paralisado quando Viny foi em direção aos torcedores rivais para apontar os agressores. Sua reação aos racistas chamou atenção do mundo futebolístico e foi o assunto mais comentado da semana.


Espera-se, agora, que as autoridades mundiais se unam contra esse comportamento doentio que teima em colocar de forma discriminatória a etnia pela cor. São gestos incompreensíveis que ainda permeiam em grande parte da sociedade mundial, o racismo estrutural.


É sempre importante citar que o racismo estrutural é um fenômeno social e histórico que está presente em diversas esferas da sociedade, desde as instituições até as relações interpessoais. Trata-se de um sistema de desigualdade racial enraizado nas estruturas políticas, econômicas e culturais de uma sociedade, que perpetua a discriminação e a marginalização de determinados grupos étnicos.


Uma das características do racismo estrutural é a sua invisibilidade para aqueles que não são diretamente afetados por ele. Ele opera de maneira sutil, muitas vezes de forma inconsciente, resultando em oportunidades desiguais e tratamento diferenciado para pessoas de diferentes origens raciais.


Esse tipo de racismo está enraizado em narrativas históricas de supremacia branca, colonialismo e exploração, que moldaram as estruturas sociais e perpetuaram ideias de inferioridade racial. Ao longo dos séculos, essas ideias foram internalizadas e se tornaram parte do tecido social, criando barreiras para o progresso e o desenvolvimento igualitário de grupos racialmente marginalizados.


O racismo estrutural se manifesta de várias maneiras, desde a segregação residencial e a disparidade no acesso à educação e oportunidades de emprego, até a discriminação racial no sistema de justiça criminal e a representação limitada de grupos étnicos na mídia e na política, assim como nos esportes em geral. Essas disparidades refletem a maneira como as estruturas sociais foram construídas para favorecer e privilegiar grupos racialmente dominantes, perpetuando, assim, o ciclo de desigualdade.


Além disso, o racismo estrutural também afeta a autoestima e o bem-estar emocional das pessoas racialmente marginalizadas. A constante exposição a estereótipos negativos e a experiência de discriminação podem causar traumas e impactar negativamente a saúde mental das vítimas. Isso cria um ciclo vicioso em que o racismo estrutural não apenas limita as oportunidades, mas também prejudica o desenvolvimento pessoal e coletivo das comunidades afetadas.


Superar o racismo estrutural requer um compromisso coletivo de reconhecer e desafiar as normas sociais e institucionais que perpetuam a desigualdade racial. É necessário promover a equidade por meio de políticas públicas que visem a inclusão e a justiça social, assim como o fortalecimento das vozes e das lideranças de pessoas racialmente marginalizadas.


Além disso, é fundamental que cada indivíduo examine suas próprias atitudes e preconceitos internalizados, buscando uma maior consciência e empatia em relação às experiências de racismo vivenciadas por outras pessoas. A educação antirracista desempenha um papel crucial nesse processo, permitindo que as pessoas entendam a história do racismo estrutural e desenvolvam as habilidades necessárias para desafiar e combater essa injustiça.


Enquanto sociedade, devemos nos esforçar para construir uma realidade na qual todas as pessoas, independentemente de sua origem racial, possam viver com dignidade, respeito e igualdade de oportunidades.

Comments


bottom of page