top of page
Buscar

Empresário recebe PIX de R$ 690 mil por engano e parcela devolução: 'Não pensei duas vezes'

Lealdo dos Santos Souza procurou o dono do dinheiro e descobriu que a quantia seria usada para a compra de um apartamento. g1

Lealdo dos Santos Souza recebeu R$ 690 mil por engano no Pix — Foto: Arquivo Pessoal


Um empresário de Santos, no litoral de São Paulo, levou um susto ao receber um PIX de R$ 690 mil por engano. Ao g1, Lealdo dos Santos Souza, de 38 anos, contou que achou tratar-se de um golpe. No entanto, ao perceber a confusão, não pensou duas vezes antes de devolver a bolada.


Lealdo descobriu que o dinheiro seria usado para a compra de um apartamento e precisou devolvê-lo em parcelas após ter problemas com o banco. “Na hora [do PIX] fiquei desesperado [...]. Na minha cabeça, a primeira coisa que eu pensei era que fosse algum golpe, que os caras jogaram na minha conta por engano e depois iam vir me procurar”, afirmou o empresário, que tem um comércio no ramo de ar-condicionado automotivo. Lealdo chegou, inclusive, a pensar que fosse o valor do resgate de algum sequestro. “Imaginei várias coisas”, relatou o homem, que aguardou 24 horas antes de tomar uma atitude e procurar a agência do banco de origem do dinheiro.

Neste período, o empresário recebeu “muitos conselhos” orientando-o a ficar com a bolada. “Só que minha cabeça e meu coração falaram que tinha que fazer a coisa certa. Eu não pensei duas vezes em devolver”, afirmou.

Ele entende que a decisão foi a melhor possível. “Fiquei mais feliz depois que eu consegui achar [o dono]. Vi que era um senhor, uma pessoa de boa índole que trabalhou pra caramba”, afirmou.

Lealdo encontrou o dono do dinheiro um dia após receber o PIX. Ele foi até a agência do banco de origem do dinheiro e falou com uma gerente, que localizou o proprietário da conta. “Ela ficou surpresa com a minha atitude e conseguiu entrar em contato com ele [dono do dinheiro]”, relembrou. O empresário contou ao g1 que, em 15 minutos, o homem apareceu na agência junto com uma advogada.

“Era um bancário e estava comprando um apartamento. Então ele estava dentro do cartório, preencheu o contrato da transferência e, quando foi finalizar o pagamento para o corretor, mandou o Pix para mim. Na hora tinha achado que fosse um novo golpe. Ia acabar com o sonho dele”, explicou.

No entanto, ambos não sabiam o motivo da confusão. Até que, dias depois, descobriram que o bancário tinha sido cliente do empresário um mês antes da confusão. “Fiz um trabalho no carro dele”, relatou Lealdo, dizendo que sua conta tinha ficado salva, apesar de não se conhecerem. Devolução Com tudo esclarecido, Lealdo tentou fazer o estorno do dinheiro, mas foi bloqueado pelo seu banco C6 Bank. “Tive um transtorno [...]. Eles bloquearam a minha conta, não conseguia fazer nada”. Após resolver essa situação, só conseguiu devolver a quantia em parcelas.

O empresário fez Pix de R$ 100 mil por dia até chegar ao valor de R$ 690 mil, terminando nesta quinta-feira (16). Segundo Lealdo, ele mantém contato com o bancário por meio da advogada dele, pois o homem tinha passado por problemas de saúde recentemente. “Acho que temos que fazer a coisa certa para nossa vida dar certo”, finalizou Lealdo. Banco Em nota, o C6 Bank informou que opera segundo as regras de funcionamento do Pix e, por isso, o saldo foi bloqueado depois do acionamento do sistema Mecanismo Especial de Devolução (MED) do Banco Central. "A opção de devolver valores parciais foi uma escolha do cliente, e não imposição do banco”, informou, em nota.



Comentários


bottom of page