top of page
Buscar

Estudo mostra a presença de febre maculosa no oeste paulista

Atualizado: 4 de jul. de 2023



Estudo constata a presença de pessoas com diagnóstico de febre maculosa em seis dos 45 municípios da área de abrangência do DRS-11 (Departamento Regional de Saúde), órgão da Secretaria de Estado da Saúde.


Os dados foram obtidos por meio de notificações no Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), disponibilizados no sistema Datasus, o departamento de informática do Sistema Único de Saúde do Brasil.


A produção científica foi conduzida por alunos do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional e pelo Programa de Ciências da Saúde da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), juntamente com pesquisador da Unesp (Universidade Estadual Paulista) em Presidente Prudente.


O médico infectologista, Luiz Euribel Prestes Carneiro, diz que o estudo mostrou que o primeiro paciente foi notificado em 2011, e que 2012 foi o ano com maior número de notificações: três. Ao todo, seis munícipios notificaram a doença: Tupi Paulista, Presidente Epitácio, Presidente Prudente, Regente Feijó, Rancharia e Iepê, sendo estes dois últimos com o maior número de casos. “É importante ressaltar que esses dados não são reais, uma vez que a febre maculosa é subdiagnosticada em todo o país e o número de pessoas infectadas com certeza é maior que os dos dados oficiais”, comenta o médico, pesquisador vinculado à Unoeste.


Em Rancharia foram seis casos, em Iepê dois e nos demais municípios um em cada, totalizando 12 casos, de 2011 a 2022. Portanto, em 12 anos. O número que pode parecer baixo, na verdade é muito significativo e preocupante, pela possibilidade de multiplicação e expansão da doença. Há que se considerar ainda, conforme os autores do estudo, pessoas que tiveram febre maculosa com sinais fracos ou moderados e que se quer procuram pelos serviços de saúde; e os com sintomas fortes, que buscaram atendimento médico, mas a doença não foi diagnosticada. Portanto, ficando fora dos registros oficiais. São dados que requerem a atenção de políticas públicas de ação preventiva. (Com O Imparcial)


Comentarios


bottom of page