top of page
Buscar

Falsa psicóloga que atendia crianças com autismo é condenada a quase 40 anos de prisão

Atualizado: 20 de set. de 2023

Caso aconteceu em Santa Fé do Sul, município do interior de São Paulo; mulher também deverá pagar indenização a cada vítima - Com Terra

Uma falsa psicóloga foi condenada a quase 40 anos de prisão por atender crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), em Santa Fé do Sul, município do interior de São Paulo que fica a 600 quilômetros da capital paulista.


Conforme o processo, a sentença, apresentada na quarta-feira passada, 13, estabelece pena de 36 anos de prisão em regime fechado por infração ao artigo 171 do Código Penal e 25 dias no semiaberto pelo exercício irregular de profissão. "Foi aplicada medida cautelar diversa da prisão consistente no comparecimento mensal ao Juízo para que a mulher informe e justifique suas atividades", disse o Ministério Público de São Paulo.


A mulher também deverá pagar um valor de R$ 20 mil como indenização em favor de cada vítima, em razão do "evidente abalo no estado emocional e psicológico" causado por ela.


De acordo com o MP, a falsa psicóloga trabalhava em uma escola como assessora pedagógica e afirmou que diversos alunos estavam inseridos no espectro autista.

"Ela passou a aliciar as vítimas, pais das crianças, oferecendo tratamento em seu consultório particular. A mulher, porém, fazia uso de diploma falso e não possuía formação em psicologia, conforme informações prestadas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e pelo Conselho Regional de Psicologia", disse o MPSP.


Segundo o órgão, o caso tramita em segredo de Justiça.


Procurados, o Conselho Regional de Psicologia, a PUC-SP e a Prefeitura de Santa Fé do Sul ainda não se manifestaram. O espaço permanece aberto para manifestação.

bottom of page