top of page
Buscar

Fotógrafa registra bebês que não vão sobreviver para ajudar famílias em luto

Com Revista Marie Claire

Paula Beltrão registra momentos de famílias com bebês que não vão sobreviver — Foto: Reprodução/Paula Beltrão/Grupo Colcha


A fotógrafa Paula Beltrão trabalha registrando partos há dez anos – inclusive, já foi premiada fora do Brasil por suas imagens de nascimento. Mas, há seis, ela conheceu um outro lado deste universo: o das mães em luto, que dão à luz bebês sem vida ou que perdem seus filhos no mesmo dia em que nascem. Desde então, dedica parte de seu tempo a registrar a conexão que essas mães têm com seus filhos. Em outras palavras, Paula fotografa, também, o nascimento de bebês que não vão sobreviver.

“Muitas vezes, quando eu chegava à maternidade, via uma mãe muito feliz e, ao mesmo tempo, via uma família chorando, com uma placa escrito ‘decesso’ na porta, sem nenhum acolhimento. Presenciei várias vezes uma mãe com o colo vazio, porque acabou de perder o seu bebê, ao lado de uma mãe recebendo seu bebê saudável”, diz Paula, que atua em Belo Horizonte. “Comecei a pensar se não tinha algo a ser feito por aquelas famílias.” A partir destes incômodos, Paula e outras duas profissionais atuantes no universo do parto – a obstetra Mônica Nardy e a psicóloga Daniela Bittar – começaram o Grupo Colcha, dedicado a prestar apoio a mulheres que estão vivendo uma perda gestacional ou neonatal durante a despedida de um filho.

“Entendemos que o processo que ela precisa passar, de despedida do filho, é muito importante em respeito àquele bebê, aos sonhos que não foram realizados”, explica. “Não existe superação e nem tem como amenizar a perda de um filho, o luto, o sofrimento. Mas temos como ajudar essa mulher a passar por esse momento de forma mais confortável.” Nos últimos seis anos, Paula já fez o acolhimento de mais de 300 famílias presencialmente – e de outras centenas à distância, pela internet.

Além de eternizar em fotos os poucos momentos de mães e bebês juntos, o grupo Colcha presta apoio psicológico no hospital e também nos meses seguintes, organizando encontros de grupo de apoio para conectar famílias que viveram a mesma experiência.

“Quando chego na maternidade pra fazer um acolhimento, muitas vezes não existe choro nem desespero, porque as mães entendem que o luto vai ser difícil, mas que é importante para elas sentirem o calor daqueles bebês, mesmo que sem vida. E a foto ajuda a resgatar essas sensações meses e até anos depois.”

‘Falar de luto ainda é tabu’

A primeira experiência de Paula registrando um bebê que não tinha expectativas de voltar para casa aconteceu em 2017, a pedido de uma mãe: “Ela conhecia meu trabalho como fotógrafa de partos e disse: ‘Não sei se minha filha vai viver um minuto ou uma hora, mas quero que alguém eternize isso’. Fui à maternidade e fiz o registro da chegada desse bebê de forma voluntária. Infelizmente, ela partiu depois de uma hora e 20 minutos de vida”, lembra.

Paula conta que, hoje, essa mãe diz que a foto é a única coisa que tem para lembrar da filha e materializar que a criança existiu, especialmente em meio a um luto solitário, muitas vezes invalidado pelas pessoas ao redor. “Essas mães têm por seus filhos o mesmo amor que tenho pelos meus três filhos, mas a sociedade não enxerga isso.” É comum as pessoas falarem, principalmente em perdas de primeiro trimestre, coisas como ‘pelo menos não criou vínculos’ ou ‘você vai ter outros filhos’, como se um filho substituísse o outro. Falar de morte, de luto, é sempre um tabu. Mas essa é uma vivência legítima, que precisa ser atravessada com afeto. Após uma década fotografando partos – foram mais de 2 mil até agora – a fotógrafa conta que só entendeu o poder da fotografia ao trabalhar com mães em luto.

“Esse é um momento muito rápido e a mãe está literalmente com os hormônios à flor da pele, tanto em decorrência do parto quanto pela emoção de conhecer o bebê e saber que não volta com ele para casa. A foto, portanto, permite que ela conheça detalhes sobre o filho que não conseguiu memorizar ou que vai se perder com o tempo. Muitas colocam essas fotos num porta-retratos, mostram para os outros filhos para contar que eles têm um irmãozinho, por exemplo.” São fotos diferentes de registros de partos comuns porque, nestes casos, não se fotografa a ambiência, mas especificamente a conexão entre a mãe e aquele bebê, ou os pais e aquele bebê, mostrando detalhes como os cílios, os pezinhos ou o contato pele a pele. “O fotógrafo tem que ter esse olhar apurado para retratar o que há de bonito naqueles minutos, e não a dor, o desespero”, fala.

Commenti


bottom of page