top of page
Buscar

Infecção urinaria e papel da nutrição


A infecção do trato urinário (ITU) é uma das infecções microbianas mais comuns em todo o mundo, sendo mulheres adultas 30 vezes mais propensas a desenvolver ITU do que homens. A nutrição pode auxiliar de diversas formas:


ADEQUAÇÃO DO PESO: uma metanálise recente de 19 estudos revelou um aumento significativo de 45% do risco de ITU em indivíduos obesos quando comparado aos não obesos


HIDRATAÇÃO: o aumento da frequência e volume urinário facilita a eliminação de bactérias, reduzindo a concentração bacteriana no trato urinário. Em um ECR (140 mulheres com ITU recorrente), o aumento de 1,5L na ingestão habitual de água por 12 meses levou a redução de 48% dos eventos de ITU, também foi observada redução de antibióticos para profilaxia ou tratamento de ITU.


DIETA: em uma coorte prospectivo, a dieta vegetariana (vs onívora) foi associada ao menor risco de ITU, particularmente em mulheres, independente de fatores de risco, como hipertensão, diabetes e hiperlipidemia. Existem diversas justificativas para os achados, dentre elas:

  1. Alimentos vegetais contêm fitoquímicos, como os compostos fenólicos, com atividades antibacterianas.

  2. Devido ao maior consumo de fibra (que são metabolizadas em ácidos graxos de cadeia curta), vegetarianos tendem a ter menor pH intestinal e fecal, prevenindo o crescimento de E. coli e Enterobacteriaceae. Como a principal via de infecção de ITU é por bactérias de origem intestinal, as fibras podem exercer efeito protetor.

  3. A E. coli uropatogênica (responsável por ~75% de ITU) é originária no intestino, mas se difere das cepas comensais e das patogênicas intestinais. Foi relatado que a carne é o principal reservatório para E. coli uropatogênica e, portanto, vegetarianos não teriam esse veículo de contaminação.


Cabe ressaltar, para ser benéfica, a dieta não precisa ser exclusivamente vegetariana, mas sim, ter como base uma variedade de alimentos vegetais ricos em compostos bioativos, como frutas, verduras, legumes, leguminosas e oleaginosas. Aqui o foco é o equilíbrio alimentar como um todo.


Comments


bottom of page