top of page
Buscar

O que muda no nosso corpo durante o frio

Com GE

Foto: iStock


O que muda no nosso corpo durante o frio? O organismo reage com diversas alterações quando exposto a baixas temperaturas. Mudanças no metabolismo, constrição dos vasos sanguíneos, estresse cardiovascular, irritação das vias aéreas e tremedeiras nos músculos são efeitos possíveis nessas situações tão comuns no inverno.


É que a temperatura do corpo humano deve estar entre 36ºC a 37ºC. Assim como age para se refrescar quando está calor, o organismo atua para se esquentar quando é exposto a baixas temperaturas.


Um dos efeitos mais conhecidos e visíveis é a tremedeira involuntária do corpo. Isso acontece como uma maneira de, a partir da contração e do relaxamento dos músculos, se produzir calor. Mas há outras repercussões internas quando estamos expostos ao frio.


  • Com o resfriamento da pele, que é o ponto de contato com o ambiente, o corpo desencadeia uma série de alterações para se esquentar e elevar a temperatura interna;

  • Os vasos sanguíneos são contraídos, ou seja, diminuem de diâmetro, para evitar a perda de calor;

  • O sangue deixa a periferia do corpo, como mãos, pés e orelhas, concentrando-se mais no interior do corpo para suprir os órgãos;

  • O metabolismo basal, o básico para o funcionamento do organismo, é aumentado, assim como a produção de hormônios;

  • Frequência cardíaca e pressão arterial são elevados;

  • O sistema respiratório é mais exigido e sofre com a menor umidade do ar, o que pode causar irritação, principalmente nas pessoas mais sensíveis;

  • Para produzir calor, o organismo promove tremedeira nos músculos;

  • A quantidade de xixi aumenta, porque, ao contrário do que ocorre no calor, a água do corpo não é eliminada por meio do suor, elevando o volume de urina a ser excretada.


O que acontece no corpo no frio


De acordo com o presidente do Departamento de Endocrinologia do Esporte da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Clayton Macedo, o frio no corpo tem efeitos nos sistemas metabólico, circulatório, cardiovascular e respiratório.


Estresse cardiovascular


— Quando expostos ao frio, os receptores sensoriais da pele detectam a queda de temperatura e enviam sinais ao sistema nervoso central, desencadeando uma resposta de defesa — explica Clayton.


— O sistema nervoso simpático é ativado para aumentar a produção de calor interno, elevando a frequência cardíaca e a pressão arterial, entre outras respostas fisiológicas, como a contração dos vasos sanguíneos periféricos. Como o calor vai todo "para dentro", as extremidades do corpo ficam mais geladas, podendo até mesmo causar queimaduras nos dedos.


Irritação respiratória


— O frio irrita as vias aéreas devido à sua natureza seca e à redução da umidade. Isso pode levar à inflamação das vias respiratórias, especialmente em pessoas sensíveis. A irritação das vias aéreas pode causar broncoespasmos devido à resposta do corpo para proteger as vias respiratórias. Quando as vias aéreas são irritadas, os músculos ao redor delas podem se contrair de forma excessiva e repentina, causando o estreitamento das vias respiratórias e dificultando a passagem do ar.


Aceleração do metabolismo


Segundo o Guia para Estresse pelo Frio, com a exposição do corpo a uma baixa temperatura, o metabolismo basal de uma pessoa comum tem aumento da produção de adrenalina e de todos os hormônios aceleram o metabolismo, o que resulta em um consumo maior de energia. É por isso que sente-se mais fome no frio.


Entretanto, é necessário se atentar de que isso não quer dizer que se pode comer mais sem o risco de engordar.


Risco de exposição prolongada ao frio

— Em temperaturas mais baixas, o sangue tende a se tornar mais viscoso, favorecendo a formação de coágulos sanguíneos, o que pode levar ao tromboembolismo. Além disso, o frio pode causar constrição dos vasos sanguíneos, dificultando o fluxo sanguíneo e aumentando o risco de doenças como trombose ou embolia.


— Há ainda a chance de congelamento de tecidos - podendo, em casos graves, chegar até mesmo a queimaduras pelo frio. Com o acúmulo de tecido morto, pode chegar numa gangrena — completa o professor.


Como se proteger do frio

Para se proteger do frio, a professora Ana Carolina Kiss, do Departamento de Fisiologia da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) de Botucatu, ressalta ser importante se alimentar corretamente, manter a hidratação adequada e, principalmente, cuidar das vestimentas, de modo a se proteger das baixas temperaturas e aquecer o corpo, minimizando todos os efeitos desencadeados pelo frio.


— O corpo gelado disfarça as sensações de desidratação e saciedade, fazendo nos sentirmos mais satisfeitos do que realmente estamos. É importante se vestir adequadamente, usando mais de uma camada de roupa para isolamento térmico e proteção contra o vento e a umidade. Além disso, é importante proteger as extremidades do corpo, como mãos, pés, cabeça e pescoço, usando luvas, gorros, cachecóis e meias grossas, para evitar a perda de calor nessas áreas vulneráveis.


— Por fim, manter-se ativo e em movimento pode ajudar a gerar calor corporal e melhorar a circulação sanguínea, mantendo-o aquecido mesmo nas condições mais frias — complementa a especialista.


Como se exercitar no frio

É necessário ter cuidado com a prática de exercícios físicos no frio, justamente por causa do maior estresse cardiovascular causado pelas baixas temperaturas.


— Embora o corpo vá ficando mais quente com o movimento, o fluxo sanguíneo vai para os músculos ativos e para a pele, facilitando a transferência de calor. Há estudos que sugerem que a exposição ao frio também pode reduzir a quantidade máxima de consumo de oxigênio, o VO2 — ressalta Guilherme, que também atua no Laboratório de Fisiologia Clínica e do Exercício da UFSCar.


— Para lidar com isso, recomenda-se o uso de várias camadas de roupa, com tecido adequado e protegendo as extremidades. É também vital se manter hidratado, já que o frio mascara a sensação de hidratação e saciedade — conclui o professor.

Comments


bottom of page