top of page
Buscar

Prefeitura de Indiana terá que pagar R$ 240 mil para filhos de coletora de recicláveis

Atualizado: 18 de out. de 2023

Mulher morreu soterrada em aterro sanitário após deslizamento de terra - Com Portal Prudentino

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo manteve sentença da 1ª Vara de Martinópolis, que condenou a Prefeitura de Indiana a indenizar, por danos morais, filhos de coletora de materiais recicláveis morta em aterro sanitário. O valor da reparação foi fixado em R$ 240 mil.


Consta dos autos que a mãe dos autores da ação estava no aterro municipal da cidade quando houve um deslizamento de terra que a soterrou. Por conta do acidente, a mulher morreu por asfixia.


Em seu voto, o relator do recurso, desembargador Renato Delbianco, apontou a responsabilidade da Prefeitura, que descumpriu as exigências técnicas feitas pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e não impediu a entrada de coletores de material no terreno, em violação a legislação federal.


“O Município, ainda que alertasse os catadores da proibição daquele trabalho no local, nada fez efetivamente para impedi-los de entrar”, explicou.


De acordo com o magistrado, o inquérito policial instaurado para apuração do acidente mostrou a conivência da Prefeitura com o acesso dos coletores de material reciclável no aterro, uma vez que eles entravam no terreno pelo portão e tinham cópias da chave do cadeado.


“A considerar que os trabalhadores ali estavam para exercer atividade tão nociva, por pura necessidade de retirar de lá o sustento, e que não encontravam resistência ao acesso, é equivalente a permissão tácita de permanecer e trabalhar”, concluiu o relator.


O julgamento, de decisão unânime, teve a participação dos desembargadores Claudio Augusto Pedrassi e Luciana Bresciani.

bottom of page