top of page
Buscar

Unoeste inaugura estátua em homenagem à professora Dona Ana


Agora quem passa pela Rua José Bongiovani, em frente ao Bloco A da Unoeste, passa a ser recepcionado não mais apenas pelo ex-prefeito e professor Agripino de Oliveira Lima Filho. Mas também pela professora Ana Cardoso Maia de Oliveira Lima, ou simplesmente Dona Ana como era carinhosamente chamada. Ambos são os fundadores da universidade.


A imagem de Dona Ana também está eternizada numa estátua de bronze. Obra do escultor Pedro Cesar Almeida Santos, de Botucatu (SP), o mesmo que já havia esculpido a imagem de Agripino Lima. O monumento tem 1,63m, aproximadamente 120 kg e passa a ocupar lugar de destaque ao lado da estátua em homenagem ao ex-prefeito que também foi perpetuada ali em 19 de fevereiro de 2019.


A estátua que representa em tamanho real a imagem da eterna professora Dona Ana foi inaugurada na manhã dessa terça-feira (28), em cerimônia de homenagem póstuma que contou com a participação de filhos, netos, bisnetos, demais familiares, autoridades, representantes de entidades públicas e privadas, funcionários e alunos da universidade.


Entre as autoridades presentes estavam o prefeito de Prudente, Ed Thomas, o ex-prefeito Milton Carlos de Mello ‘Tupã’, o diretor do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter-8) Dr. Wlamir Geralde, e o subcomandante do 18º Batalhão da Polícia Militar (BPM/I), Major Júlio César Domingues.


Legado inspirador


Cidadã, mulher pública, empresária, era filha do meio de cinco irmãos e em 1950 se formou professora, sendo que no ano seguinte começou a lecionar na zona rural. Em 1953 casou-se com Agripino que ainda estudava para ser professor e trabalhava no armazém de sua família em Garça, na região de Marília.


Em Garça nasceram três dos quatro filhos: Augusto Cesar, Ana Cristina e Maria Regina. O caçula Paulo César, 13 netos e seis bisnetos nasceram em Prudente, onde a família chegou em 15 de janeiro de 1962, depois de dois anos em Alfredo Marcondes.


Dona Ana dizia que nasceu professora e iria morrer professora, pelo amor e pela missão de ajudar na transformação de vida das pessoas por meio da educação. E foi em Presidente Prudente que ela fez história. Trabalhou na criação da Associação Prudentina de Educação e Cultura – Apec e instalou em 1972 a Faclepp: Faculdade de Ciências, Letras e Educação, que foi a primeira semente da tão idealizada Universidade do Oeste Paulista, a Unoeste.


Entre as suas obras, além dos campi universitários e a Fazenda Experimental, esteve envolvida no projeto do Hospital Universitário “Dr. Domingos Leonardo Cerávolo”, que foi estadualizado em fevereiro de 2009.


Na única vez em que colocou seu nome em apreciação popular, foi eleita vereadora em Presidente Prudente com 5,5 mil votos, a mais votada em 2000. Também, por diversas vezes, foi convidada a ser candidata a prefeita, mas não quis.


Dona Ana morreu em 10 de novembro de 2022, aos 92 anos, deixando a todos uma grande lição em uma de suas frases mais marcantes: “aproveite o melhor de cada pessoa”. (Com Assessoria de Imprensa)

bottom of page