top of page
Buscar

Síndrome do Impostor: como identificar e superar os cinco tipos diferentes

Com Glamour

Foto: Pexels


A Síndrome do Impostor pode assumir muitas formas, mas a maioria de nós sentirá isso em algum momento de nossas vidas.


O que é a síndrome do impostor?

A síndrome do impostor refere-se àqueles sentimentos infundados de dúvida e incompetência que podemos sentir em qualquer momento e em qualquer aspecto de nossas vidas. Descreve alguém que sente que não é tão capaz quanto os outros pensam e teme que seja apenas uma questão de tempo até ser exposto como uma fraude.


Características da síndrome do impostor

Como mencionado acima, as principais características da Síndrome do Impostor incluem não pensar que você é capaz o suficiente no trabalho ou nos relacionamentos, e a sensação de que um dia será “descoberto” como uma fraude que realmente não sabe o que está fazendo. Você também pode sentir perda de confiança ou baixa auto-estima, medo intenso de falhar e maior probabilidade de esgotamento devido ao excesso de trabalho.


Para realmente saber se você pode estar enfrentando uma forma de Síndrome do Impostor, de acordo com o Dr. Young, existem cinco tipos de personalidades reconhecidas. São estas:


  1. O perfeccionista

  2. O gênio natural

  3. O individualista rude

  4. O especialista

  5. O super-herói


Embora tenham muito em comum, cada um destes grupos vivencia o fenômeno de uma forma ligeiramente diferente e necessitará de métodos ligeiramente diferentes para superar o impacto da síndrome do impostor nas suas vidas.


Tipo 1: O Perfeccionista

No seu livro, a Dra. Valerie Young explica que os perfeccionistas normalmente estabelecem expectativas muito elevadas para si próprios e que, mesmo que cumpram 99% desses objetivos, uma pequena perda será sentida como um grande fracasso. Quando acontecem erros, os perfeccionistas questionam a sua competência central, o que pode facilmente traduzir-se em sentimentos de síndrome do impostor.


O que fazer:


A abordagem mais importante para este grupo é aprender a aceitar os seus erros ou vê-los como uma parte inevitável de sucessos maiores. Experimente sintonizar o podcast How to Fail with Elizabeth Day, uma série que entrevista celebridades sobre seus três maiores “fracassos” e, por sua vez, explica como elas foram cruciais para o sucesso que alcançaram hoje. Comemorar suas conquistas também é fundamental para manter a perspectiva e evitar o esgotamento emocional.


Tipo 2: O Gênio Natural

O “gênio natural” tem sido o melhor da turma desde que se lembram e, nos tempos de escola, o sucesso veio com relativa facilidade. À medida que crescem e amadurecem, no entanto, são obrigados a encontrar cenários onde a realização não se apresenta como uma segunda natureza e é necessário trabalho árduo ou luta para obter os resultados desejados. Por não estarem acostumados com isso, os gênios naturais tendem a sofrer da síndrome do impostor, sentindo que a luta para atingir seus objetivos é um sinal de que lhes falta habilidade e não são “bons o suficiente”.


O que fazer:


Os gênios naturais deveriam se concentrar em se verem como um “trabalho em andamento”. Pense nas pessoas com habilidades que você admira e considere a jornada que elas empreenderam para chegar onde estão agora. Músicos talentosos, por exemplo, certa vez pegaram um instrumento e não conseguiram tocar uma nota. Desafie-se a praticar o tipo de habilidades que você não domina imediatamente, em vez de rotulá-las como algo que você simplesmente “não pode fazer”. Você conhece pessoas que se destacam nessa área? Pergunte-lhes sobre suas dificuldades iniciais ou sobre como melhoraram suas habilidades. Você logo perceberá que todo mundo começa em algum lugar e que a jornada rumo à proficiência deve ser aplaudida tanto quanto o resultado final.


Tipo 3: O Individualista Robusto

Pedir ajuda desencadeia sua síndrome do impostor? Você luta para ver algo como um sucesso, a menos que o tenha alcançado sozinho? Você provavelmente é um “individualista robusto”. Estes tipos de “impostores” lutam para chegar quando precisam de assistência, pois sentem que obter ajuda numa tarefa invalida a sua contribuição ou mostra que o seu próprio conjunto de competências está de alguma forma em falta.


Saber quando pedir ajuda é uma habilidade vital, não só no trabalho, mas também na vida. Pedir ajuda nunca é uma fraqueza – na verdade, conhecer-nos suficientemente bem para compreender quando é necessária ajuda pode ser um dos nossos maiores pontos fortes. Afinal, é muito mais eficiente pedir ajuda para uma tarefa do que passar o dobro do tempo lutando sozinho.


O que fazer:


Se você precisar de inspiração, fale com alguém que você admira e pergunte qual foi o valor das contribuições de outras pessoas para seu sucesso. Longe da imagem que você pode ter deles como empreendedores solitários e independentes, você certamente ouvirá histórias entusiasmadas de pessoas que os ajudaram ao longo do caminho.


Tipo 4: O Especialista

Se você é do tipo “especialista”, provavelmente prefere gastar tempo pesquisando e reunindo o máximo de informações possíveis antes de iniciar um novo projeto. Você gosta de entrar em algo novo a partir de uma posição de conhecimento e experiência e provavelmente passa regularmente tempo procurando maneiras de melhorar seu conjunto de habilidades ou passar por treinamento extra. No entanto, esse desejo de se tornar um “especialista” pode desencadear a síndrome do impostor, impedindo você de se candidatar a empregos se não atender a todos os critérios da descrição ou de se manifestar em um seminário por medo de que sua resposta não será perfeitamente informada.


O que fazer:


Fazer um esforço para deixar de “acumular” conhecimento e, em vez disso, aprender em movimento pode ser uma boa maneira de desafiar os comportamentos que provocam a sensação de impostor. Reconhecer que você é capaz de improvisar e aprender conhecimentos em um período de tempo mais curto irá incutir em você maior confiança em suas habilidades e desenvolver seu senso de valor.


Tipo 5: O super-herói

Os “super-heróis” se esforçam para trabalhar mais do que todos ao seu redor para provar que não são impostores. As suas expectativas para si próprios são mais elevadas do que as expectativas dos outros, e sentem uma necessidade, por vezes esmagadora, de ter sucesso em todos os aspectos da sua vida. Seus sentimentos de síndrome do impostor serão desencadeados quando uma dessas áreas não for tão forte quanto a outra. Trabalhar mais do que os outros para provar o seu valor ou para encobrir a sensação de ser um impostor pode levar rapidamente ao esgotamento e ser prejudicial à sua saúde mental.


O que fazer:


Tente aprender a resistir à atração da validação externa como a medida pela qual você avalia seu valor próprio e passe a traçar limites saudáveis ​​entre seu trabalho e seu tempo privado. Encontrar outras maneiras de definir sua identidade além do “sucesso”, por meio de novos hobbies ou rotinas, é outra boa maneira de aliviar a pressão que acompanha esse tipo de síndrome do impostor.


Muitas pessoas descobrirão que se identificam com várias, ou mesmo todas, dessas formas de síndrome do impostor. A boa notícia é que, quanto mais “tipos” falem com você, mais soluções práticas são desbloqueadas para superar sua síndrome do impostor. Os “tipos” não devem limitar a sua abordagem ao problema, mas oferecer um guia personalizado para encontrar soluções.


Como superar a síndrome do impostor

Só porque é normal, não significa que todos devemos aceitar a síndrome do impostor como parte de nossa vida cotidiana; há todo tipo de coisas que podemos fazer para ajudar a aliviar os sentimentos em torno de nosso próprio valor e capacidade.


1. Encontre as evidências

Muitas vezes consideramos nossos pensamentos e sentimentos como fatos, sem nunca encontrar evidências que os apoiem. Muitas vezes, a síndrome do impostor pode ser combatida tendo um pensamento negativo e perguntando a si mesmo se você tem alguma evidência física para acreditar nisso ou se é apenas sua mente pregando peças novamente.


2. Compartilhe seus sentimentos

Compartilhar seus sentimentos de impostor com outras pessoas pode não apenas reduzir a solidão, mas também abrir portas para que outras pessoas compartilhem o que veem em você e ajudar a garantir que suas crenças são infundadas.


3. Comemore seus sucessos

Pessoas que lutam contra sentimentos impostores tendem a ignorar seus sucessos, o que só agrava a experiência. Se alguém lhe parabenizar, faça uma anotação mental. Nossos cérebros estão programados para lembrar o negativo devido ao nosso instinto de sobrevivência inerente, mas não somos tão bons em reter o positivo.


4. Reformule os pensamentos negativos

A Síndrome do Impostor se reproduz em espaços mentais negativos - o que significa que, quanto mais pensamos que somos um fracasso ou que não estamos fazendo nada de bom, mais isso pode se tornar nossa realidade. Em vez de ser duro consigo mesmo se algo parecer “errado”, tente transformar a situação em uma oportunidade de aprendizado e apenas em uma parte dos altos e baixos da vida.


5. Deixe de lado o perfeccionismo

Você não precisa baixar a qualidade, mas ajustar seus padrões de sucesso pode tornar mais fácil ver e internalizar suas realizações. Concentre-se no seu progresso em vez de buscar a perfeição, por exemplo; e, quando você não atingir seus padrões, tente lembrar que é provável que você espere mais de si mesmo do que de qualquer outra pessoa.


6. Evite comparações

Muitos de nós podemos ter a tendência de olhar para outras pessoas em nossa área e vê-las como inerentemente “melhores” no que fazem. Isso não fará bem à sua auto-estima e pode, na verdade, ser cada vez mais prejudicial ao seu bem-estar mental.


Tente lembrar que quase ninguém sabe realmente o que está fazendo na vida e, em vez de se comparar com os outros ou sentir ciúme, use-os como inspiração para se tornar o mais confiante possível em si mesmo. Estamos todos em nosso próprio caminho e temos nossas próprias habilidades, complexidades e conquistas individuais.


7. Aceite

À medida que você aprende a lidar com a síndrome do impostor, ela provavelmente interferirá menos no seu bem-estar. Mas domar os sentimentos dos impostores não significa que eles nunca mais aparecerão. Sempre seremos confrontados com novas experiências ou papéis, mas reconhecer que você progrediu pode ajudar. Outra dica é lembrar-se da última vez que se sentiu assim e como você superou isso, se sentindo completamente diferente em relação à situação passada.

Comentários


bottom of page